segunda-feira, 28 de setembro de 2009


É o fim das colheitas. Do centeio, das batatas, legumes e até das uvas. Tempo de recolha e armazenamento para o Inverno. Setembro sempre foi um mês de fartura. Ficam os restolhos como lembrança, à espera que venham as primeiras chuvas para também eles entrarem numa nova época de rebentos para o gado.
Fecha-se um ciclo abre-se outro. Assim é a natureza, assim é a vida.

6 comentários:

Anónimo disse...

"Fecha-se um ciclo e abre-se outro". Na verdade é assim a natureza mas também o é a vida. A natureza, porém, fecha um ciclo mas sabe também abrir outro. Na vida quantas vezes se fecha um e não mais se abre outro. Por razões várias perdura o anterior, puro saudosismo, lembranças entranhadas que vão impedindo qualquer renovação. "Arbres branches", talvez. Quem naceu a ver as árvores florirem depois do inóspito inverno, só pode invejá-las, tão frágeis parecem e acabam por revelar tamanha força. Talvez seja injustiça do Criador.

Risadas disse...

Não creio que seja injustiça do criador, pois a nós também nos deu essa habilidade de renovação, mas talvez por não nos acharmos capazes ou por egoismo nosso não a sabemos aplicar.
Deveriamos aprender com as árvores que, tal como diz, apesar de fragéis conseguem ganhar força e florir... Nós também deveriamos buscar no nosso mais profundo ser todas as forças necessárias para renovar, nunca esquecendo o passado claro, recordando com saudade todos aqueles que dele fizeram parte, mas concerteza que nunca desejaram que ai permanecece-mos sem renovar e abrir as portas a outro ciclo.

Parabéns ao fotografo que com aquela fotografia que parecia tão banal, permitiu criar aqui um momento de reflexão...

anas disse...

Hoje o nosso risadas está muito poético, filosófico e sério. Parabéns. Sábias palavras.

Anónimo disse...

"Lembra-te homem que és pó e ao pó hás-de regressar", diz a biblia, salvo erro em S. Mateus. Esta é a realidade. Para quem é católico, abstraindo a fé, encontra aqui a grande diferença com a restante natureza. Esta, morre e dela própria renasce. O homem não. Na teoria da reencarnação, aí sim, tudo acontece como nas plantas, passe a simplicidade. Então, a renovação, a que o risadas alude é questionável, apenas se pode entender no campo metafisico. É controverso, sem dúvida, mas continuo a achar que fomos discriminados negativamente.

Risadas disse...

Quem é católico têm de enfrentar a vida como uma passagem,pois após a nossa morte terrena seguiremos para céu...penso que neste campo não fomos defavorecidos se tivermos em conta que a natureza morre e dela própria renasce, mas está condenada a morrer novamente enquanto que nós seres humanos viveremos eternamente...
Na renovação que mencionei na mensagem anterior referia-me ao dia a dia onde se fecha uma porta mas abre-se uma janela, por vezes não queremos é ver as hipoteses que temos pois temos medo de as agarrar assim sim não renovamos.
Mas como disse anónimo, é controverso...

smvasconcelos disse...

É sim, Armando , um rodopio de ciclos que se completam, uns; que se suspendem inacabados, outros...
beijos,