domingo, 8 de dezembro de 2013

Dias de geada


Depois de semanas de inclemente geada, enche-se o chão de carambina, esbara-se ao menor descuido, caem as folhas e secam as ervas, com a severidade do gelo.
Das árvores, nos dias de sinceno, desprendem-se candiotos, os gelados de quem não sabia o que eram gelados.
Ganha a vista e regala-se o corpo e a alma recostado à volta da lareira.
Felizes os ditosos que se lembraram de programar a matança do porco para esta altura.O frio conserva as carnes, a geada aguça a vontade do calor que o lume dá.
Já lembra o fumeiro!

4 comentários:

trepadeira disse...

É bom para curar os presuntos.
Provar os iscos de vinha-de-alhos ao lume de carvalho é um privilégio.

Abraço,

mário

zeca soares disse...

Na lareira á poesia cheira !

Para aquecer nesta geada de caramba, lenha de carvalho queimo,
nesse mesmo lume curo fumeiro para esquecer a carambina gelada !

Momentos simples que fazem talvez a felicidade da vida...

Saudação MRP

zeca soares disse...

Na lareira á poesia cheira !

Para aquecer nesta geada de caramba, lenha de carvalho queimo,
nesse mesmo lume curo fumeiro para esquecer a carambina gelada !

Momentos simples que fazem talvez a felicidade da vida...

Saudação MRP

Alda Luisa Pinheiro disse...

Lareira e lenha tenho...falta-me a geada e o fumeiro! ;)