quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Segada







E, como previsto, a segada lá se fez. Com o mesmo calor intenso de sempre, mas com muito menos preparação do que outrora.
Às foices desabituadas de tais lides, por anos de ausência de contacto com a palha seca, juntava-se o amadorismo e falta de prática continuada de segadores e atador.
Mas, no fim, fica o consolo de um bom e saudável momento passado nos velhos hábitos e excelentes costumes de Pedome.

6 comentários:

Mário do Carteiro disse...

E não é que aconteceu mesmo!

Menina Marota disse...

... e volta-se ao passado. Há coisas que nunca deveriam acabar.

A terra ama quem a ama...

Um abraço

trepadeira disse...

Sim senhor, e bem atados com vincelhos e tudo.
Faltaram as dedeiras de cabedal para protegerem os dedos.

Abraço,

mário

Canto da Boca disse...

Eu sou pela defesa da tradição, da manutenção dos costumes, para que as gerações vindouras possam reconhecer a ancestralidade (um certo atavismo, enfim).

Abraço!


;))

Alda Luisa Pinheiro disse...

Excelente iniciativa! Parabéns! Mário do Carteiro, parece-me que a "coisa" deu-se e correu bem porque (pelas fotos) na equipa havia um "inginheiro"!!! :-)

zeca soares disse...


Prazer em cumprimentar toda esta gente
que jà tenha visto ou nao…

Armando, aqui temos a prova do teu regresso em grande forma,
parabéns à tua equipa de segadores Pedomenses!

Falta agora a fase na eira, a Malhada, pois ai é que a temperature
aumentava ainda mais, a visibilidade diminuia com a poeira que
picava os olhos e a garganta, so a agua da fonte do cano e
outro « liquido local » podiam acalmar essa comichao hà ! hà ! hà!

Assim que pena nao haver hoje malhadeira ou entao fica uma maneira
mais antiga, bater com o malho para separar o grao da palha, estou
brincando… mas sem duvida sao tradiçoes que devemos lembrar.

Saudaçao ao MRP